quarta-feira, 24 de junho de 2009

Música Egípcia

O povo egípcio representa a civilização mais antiga de que se tem conhecimento.
A Música e os músicos gozavam de grande prestígio dentro da comunidade. Tanto na música religiosa, quanto na de guerra e mesmo na recreativa, os egípcios davam preferência às expressões elevadas e serenas, dando-lhes destaque no culto aos deuses, nos banquetes e cerimônias. A Música era praticada em coletividade, inclusive com a participação feminina.

Tecnicamente, faziam escalas de sete notas e usavam principalmente instrumentos de corda, como a harpa e o alaúde. Usavam também flautas feitas de osso e com o passar do tempo, vieram a fabricá-las também em metal. Como instrumentos de percussão, usavam o os tambores de guerra, címbalos feitos de bronze

INSTRUMENTOS DE PERCUSSÃO

CROTALO - consistindo de duas lâminas de madeira ou osso, ligadas parcialmente. Batia-se uma contra a outra, às vezes aos pares - isto é, um crotalo em cada mão. Para fins militares, os crotalos eram feitos de metal.

SISTRO (do grego: seistron = cousas sacudidas) - constituído de duas ou três varas dispostas horizontalmente, entre as aberturas de um quadrado de madeira, fixas; ao longo das varas corriam anéis de metal; agitando-se o instrumento, os anéis tilintavam. Usados, principalmente, no culto da deusa Hator e no de Ísis, para expulsar os maus espíritos. Os mais antigos, de madeira ou porcelana, chamavam-se SAKAM; os posteriores, de metal, SAUCHIT.

TAMBORES - de madeira ou de barro cozido, de diversas formas e tamanho. Os instrumentos de sopro, ao que parece, foram tocados somente por mulheres, existiam SAIBIT (flauta simples) e MAIT (flauta dupla), com e sem palhetas. A flauta horizontal (tocada de frente) chamava-se MEME, a transversal SEBI.

INSTRUMENTOS DE CORDAS:

CÍTARA - de origem assíria; sobre uma armação estendem-se duas séries de cordas (5 a 18) tangidas por plectro.

HARPA - originária da Suméria, onde já existiu 3.000 anos A.C.; de diversas formas, pequenas com 3-4 cordas e grandes com 8-20 cordas.

TRÍGONO – harpa portátil de poucas cordas.

É provável que a música egípcia se baseasse na escala pentatônica (do grego 5 tons), correspondente aos 5 primeiros graus da nossa escala maior. Dos conjuntos musicais também faziam parte algumas pessoas que somente batiam palmas. No segundo século A.C., surge em Alexandria - a mais adiantada das cidades da época - O ÓRGÃO HIDRÁULICO, inventado pelo célebre Ctesíbio (pronuncia-se Ktesíbio). O mecanismo do instrumento compreendia um jogo de tubos, alavancas ou teclas, destinadas a abrir e fechar as passagens de ar e um pistão, também por alavanca. Parte do mecanismo mergulhava em água para manter a pressão do ar e sua penetração contínua nos tubos, compensando a descontinuidade sonora resultante dos movimentos descendentes do pistão.

Os egípcios não assinalavam suas músicas, portanto quaisquer tentativas de reconstrução da música faraônica permanecerá para sempre especulativa. Por esta razão optei por uma midi mais recente para ilustrar musicalmente esta página.
Embora a música possa ter existido na pré história do Egito, sua evidência torna-se segura somente no período faraônico ou das dinastias.
A música constituía uma importantíssima porção da vida Egípcia e os músicos ocupavam inúmeras posições na sociedade Egípcia. A música foi encontrada em inúmeros contextos no Egito: templos, palácios, oficinas, fazendas, campos de batalha e tumbas. Além disto a música era parte integrante das cerimônias religiosas no Egito Antigo, então não é de se estranhar que havia deuses e deusas especificamente associados com a música, como por exemplo Hathor (que é motivo desta formatação). Nota: Vale a pena lembrar que este deus também está associado com dança, fertilidade e nascimento das crianças além da música.

Alguns ritmos egípcios:

Ayyub
É um ritmo 2/4 simples e rápido, usado para acelerar (ou "aquecer") uma performance.
Ele se encaixa bem com outros ritmos, e geralmente é utilizado para "acentuar" outro ritmo. Não é executado durante tempos muito longos, pois torna-se monótono.

Baladi
Este é um ritmo inserido no grupo dos derivados do Maqsum. Maqsum simples é a base de muitos ritmos e especialmente importante na música egípcia. Se você escuta música oriental com acopanhamento de percussão, certamente reconhece o tradicional DT-TD-D do Maqsum. O Baladi é uma versão folclórica do significado da terra, do campo e envolve no Egito um pouco de regionalismo Maqsum, caracterizado pelos familiares dois dums que lideram a frase. Este ritmo é muito típico aparecendo com frequência na música para Dança Oriental. O Dum duplo tende a submergir quando há acompanhamento melódico por isso, às vezes, pode não ser ouvido de imediato, então utiliza-se como base, uma versão simples de Maqsum. Existem inúmeras variações do Baladi, e algumas possuem seu próprio nome, como por exemplo o Masmoudi Saghir (Masmoudi "pela metade"). Alguns músicos afirmam que o Baladi é, na verdade, uma versão folclórica do Maqsoum.
D - D - t k t - D - t k t

Chiftitelli
Ritmo 8/4, que é executado lentamente (comparando-o ao Baladi, por exemplo). Originou-se provavelmente na Grécia ou na Turquia. Além de ser utilizado na Raks Charky, também é utilizado na Turquia, como dança de casais.
D - t k t - t - t k t - t - t k t - t k t - t k t

El Zaffa
Ritmo 4/4 egípcio utilizado em cerimônias de casamento. Dançarinos e músicos (tocando MAZHAR E DAFF) acompanham o casal de noivos, na entrada e na saída da cerimônia.

Fallahi
A palavra Fallahi significa algo criado por um Fallahin - fazendeiros egípcios, que utilizavam este ritmo 2/4 nas suas canções de celebração. Geralmente é tocado duas vezes mais rápido que o Maqsoum.

Karachi
Ritmo 2/4, rápido, amplamente utilizado no Egito e no norte da África (apesar de não ser um ritmo egípcio). Este não é um ritmo comum, porque ele começa com um TAK (que é uma batida aguda, diferente do DUM, que é uma batida grave).

Malfuf
Ritmo 2/4 egípcio bastante utilizado na Dança do Ventre, sobretudo nas entradas e saídas do palco.

Maqsoum
Maqsoum significa "cortado ao meio". É um ritmo 4/4 amplamente utilizado no Egito. Possui duas variações, uma rápida (normal) e uma lenta. Se tocado da forma mais lenta, torna-se uma variação de Masmoudi.

Masmoudi
Ritmo 8/4 egípcio. Possui duas partes, cada uma com 4 tempos. O Masmoudi Kebir (Kebir = grande) é também chamado "Masmoudi de Guerra", devido à sua cadência agressiva (ele se distingue do Masmoudi Saghir).

Saaid
Ritmo 4/4, originário de El Saaid, no Alto Egito (era chamada originalmente Raks Al Assaya). Ritmo utilizado para a Dança da Bengala (ou Dança do Bastão), muito praticada pelas mulheres egípcias (às vezes acompanhadas de homens, executando movimentos masculinos), onde são utilizadas bengalas ou longos bastões. Ela é uma referência a uma dança marcial masculina chamada Tahtib.

Samaai
Ritmo amplamente utilizado na música clássica egípcia. Possui uma sequência de três partes: uma com 3 tempos, uma com 4 tempos e uma com 3 tempos. Juntas, compõem um ritmo 10/8 utilizado nas composições chamadas Samaaiat.

Soudi
Ritmo utilizado para o Khalij (dança folclórica do Golfo Pérsico).

Taqsim
É uma improvisação que não possui ritmo ou estrutura definidos. Pode representar o solo de um determinado instrumentista dentro de uma composição, ou mesmo constituir a própria composição. É tocado sem instrumentos de percussão e frequentemente por um só instrumento. Tradicionalmente, é utilizado para fazer a parte lenta de uma música. O músico está livre para fazer o que quiser, favorecendo um momento especial de expressão pessoal.

Vals
Ritmo 3/4 utilizado na música egípcia e também na música ocidental.

Zaar
Ritmo 2/4. A dança egípcia Zaar é realizada para afastar maus espíritos. São feitas oferendas de caças, carneiros, cabras, novilhos ou camelos jovens, num tipo de ritual.

Solo de Percussão
Um solo reunindo variados ritmos árabes no qual, entre os instrumentos de percussão, destaca-se o Derbak.

4 comentários:

  1. oie meu nome é izaberlle eu gostei do seu blog, voce sabe dizer me "nomes" de musicas egipcias?
    se souber fico agradecida...abraços
    cordialmente ,
    izaberlle lacouth

    ResponderExcluir
  2. Adorei esse texto, é mesmo excelente,parabéns.Beijos.

    ResponderExcluir
  3. texto muito bem feito! mas quando fala sobre a pentatônica, se refere a tradicional ou a uma outra especifica? pois diz o texto que ela era constituída pelo 5 primeiros graus da nossa escala maior. Sendo assim seria do, re, mi, fá, sol, e nao do, re, mi, sol, la, como se conhece.

    ResponderExcluir