domingo, 2 de janeiro de 2011

Música Italiana


Ópera

A Itália é a casa de ópera. O lírico foi criado na Itália no século 17, pelo compositor italiano, Claudio Monteverdi. Ele escreveu sua primeira ópera em 1607, chamado L'Orfeo, que foi composta para comemorar o festival anual da cidade de Mântua. Desde então, aópera to rnou-se uma instituição no mundo da música italiana e muito apreciada em todo o mundo. Da Itália saem os melhores cantores de ópera do mundo, além de grandes maestros e compositores até os dias atuais. Os nomes mais famosos no mundo contemporâneo em termos de ópera são, sem nenhuma dúvida, Luciano Pavarotti e Andrea Bocelli, que são cantores italianos. A Itália também abriga alguns dos melhores locais para executar esse estilo no mundo. Porque a natureza grandiosa de uma ópera, depende muito da presença de acústica favorável no local em que a ópera está sendo realizada. As melhores casas de óperas podem ser encontradas em: Milão, Veneza, Nápoles e Verona para citar apenas algumas.
Os mais antigos documentos de composição musical da Europa são os Cantos Gregorianos, assim chamados por causa do pontifíce São Gregório que, no século VI, fixou os esquemas, reordenando os cânones e as regras já delineadas por Santo Ambrósio (Cantos Ambrosianos), arcebispo de Milão do século IV.
Deve-se, todavia, a Guido d'Arezzo, no século XI, o primeiro exemplo de escrita musical no pentagrama e o nome das sete notas da harmonia: um invenção de alcance fundamental que permitiu transmitir o patrimônio musical através dos séculos. Os compositores italianos que inscreveram o seu nome no firmamento musical internacional são muitos. Entre outros, devem ser lembrados Giovanni Pierluigi da Palestrina, que compôs corais para as missas, das quais a mais célebre é a do Papa Marcello, considerada uma das obras primas da música de todos os tempos, Claudio Monteverdi, Alessandro Scarlatti, Geloramo Frescobaldi, Domenico Scarlatti, Antonio Vivaldi, Giovanni Paisiello, Luigi Boccherini, Niccolò Paganini (insuperável virtuose no violino), Luigi Cherubini.
Muda o século e a música renova-se. Entre os principais protagonistas desta transformação figuram Ottorino Respighi, Gianfrancesco Malipiero, Alfredo Casella, até chegar à música de vanguarda, que tem em Luigi Dallapiccola e Goffredo Petrassi seus principais expoentes.
O "Scala" de Milão levou seus espetáculos aos principais teatros de todo o mundo, tais como o Maior Musical Florentino, a Semana Musical de Siena, as Manifestações do Verão Romano, que são algumas das iniciativas que ainda hoje atraem críticos e público de todo o mundo. Na academia de Música Chigiana e em outras importantes instituições italianas, lecionam alguns dos mais célebres maestros internacionais, e deles saem todos os anos, solistas destinados a afirmar-se em nível mundial. Cantores, maestros, solistas italianos estiveram no passado e estão ainda hoje entre os mais famosos do mundo. Os nomes de Enrico Caruso, no passado, e de Luciano Pavarotti, atualmente, são apenas alguns entre os tantos aplaudidos, nos principais teatros do mundo. Ao fazer um panorama da Itália de hoje, não podemos esquecer que este país pequeno deu a maior e mais bela contribuição à Música, esta arte universal.

Música Clássica Italiana

A Itália produziu poucos nomes importantes no mundo da música clássica, ao longo dos últimos cem anos. Um dos principais contribuintes da Itália para a música clássica, é Antonio Vivaldi, que é o compositor musical amplamente creditado como tendo criado a música de concerto. A mais famosa peça de música de Vivaldi é as quatro estações, que ainda é tocado hoje em dia em todo o mundo e provavelmente é o mais fácil de se encontrar sintonizado em uma casa num país ocidental. Na mesma época de Vivaldi, o gênero de música clássica Barroca foi desenvolvida na Itália. Esta música, que tem suas raízes na Itália do século 17, é bastante caracterizada por melodias e altamente complexa.

Rock Italiano

O ritmo musical que mais prevaleceu na música popular na Itália durante as últimas décadas, tem sido o rock. Embora hoje em dia não tenhamos grandes bandas de rock italiano, ele já fez muito sucesso nos países de língua Inglesa. Existem várias bandas de rock muito populares no interior da Itália. Entre os cantores de rock e compositores mais populares dos anos 80 estão: Gianna Nannini, Zucchero e Vasco Rossi. Houve também uma grande cena musical punk significativa na Itália na década de 70, mas hoje não parece ter nenhuma novidade em termos de música punk em desenvolvimento na Itália hoje.
A Itália foi tradicionalmente dominado por baladas melódicas que decorriam da sua tradição folclórica. Os anos sessenta foram foram se adaaptando a essa tradição os novos ritmos que estavam vindo da Inglaterra e dos EUA. O primeiro cantor e compositor foi provavelmente Piero Ciampi. A principal contribuição da Itália para a era psicodélica foi Le Stelle di Mario Schifano , um evento musical organizado por um futurista-decadente artista pop seu nome era Schifano, da mesma forma que Andy Warhol e o Velvet Underground. Eles improvisaram uma jam, Le Ultime Parole di Brandimarte (com as instruções "para ser ouvido com a TV ligada e sem volume").

A década de 1970: rock-progressivo

A Itália também foi responsável por uma das escolas mais prolíficas do rock progressivo. Apesar da pouca tradição no rock, a escola progressiva foi uma conseqüência não intencional de dois fenômenos: um "boom" de músicos de formação clássica e revoltas estudantis de 1968. Em 1969, a Itália foi inundada por jovens músicos eruditos que queriam mudar o mundo. Eles se identificavam com a ideologia dos hippies, mas conservavam a linguagem de Bach. O rock progressivo nasceu de uma contradição.

A década de 1980

Ao longo da década de 1980, a Itália impulsionou uma das cenas de hardcore mais importantes na Europa. Algumas das bandas punk mais experimental dos anos 1980 eram italianos. Raw Power (1) conseguiu uma impressionante fusão de hardcore e heavy-metal em Gritos da sarjeta (1985). Negazione escreveu um clássico do italiano thrash / hardcore, Lo Spirito Continua (1985).
Poucos compositores destacam-se na década de 1980. Os "rockeiros" da época eram Vasco Rossi e Gianna Nannini, enquanto Adelmo "Zucchero" Fornaciari tornou-se famoso como uma espécie de conterrâneo de Eric Clapton.

A década de 1990

O rock explodiu na cena italiana na década de 1990. Surpreendentemente, a Itália, a pátria da música melódica, acabou por ser um dos principais centros internacionais de rock. Em geral, o modelo sonoro era uma mistura de Big Black, Sonic Youth e Fugazi, enquanto os temas eram uma espécie de neo-existencialismo, muito preocupado com o psicodrama de crianças normais.

Rap Italiano

Sim, ele existe por lá também! A música popular na Itália, muitas vezes, acompanha assim como em vários outros países (incluindo o Brasil) a tendência cultural dos estados Unidos, e esta parece ser a influência do rap que nasceu na Itália. Há hoje uma cena da música rap significativa na Itália, que se desenvolveu juntamente com a moda e estilos de vida parecidos com o dos músicos de rap nos Estados Unidos. Embora as batidas do rap italiano possam parecer uma cópia próxima do rap americano, as letras, muitas vezes encontradas no rap italiano, parecem se concentrar em críticas sociais que são inteiramente sobre a italia.


Links Interessantes:


Um comentário:

  1. Show de post, verdadeira viagem pela história da música...
    Saudades de você, garotinha!

    Super beijão
    Sayuri

    ResponderExcluir